Um homem de meias azuis

fevereiro 27, 2010

Eu te perseguia pelas ruas, minha força te guiava como o vento empurra nuvens.

Ou seria o contrário?

Os seus passos me chamavam em cadência, em silêncio e eu apenas te seguia?

Vai, foge de mim, que antes que as nossas sombras se encontrassem nesse concreto sem fim eu já pensava que você era minha.

Somos o que somos, você é uma brisa de abril, é o sol, é maior do que sol e eu sou o homem que caminha sem razão por calçadas cinzentas.

Você é a veia que guarda algum sangue, a antiga catedral, eu sou um homem a que tudo contempla nessas calçadas cinzentas.

Claudia Barral – http://www.claudiabarral.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: